The Golden Circle the Simon Sinek

the golden circle

Hoje vou falar da ideia do Golden Circle de Simon Sinek que foi apresentada em 2009. Acredito que, muitos já conheçam esta ideia, mas acho importante salientá-la e dar a conhecer àqueles que a desconhecem.

Este conceito é utilizado como uma estratégia de comunicação e de marketing para campanhas de publicidade mas, na verdade, pode ser também aplicado de forma pessoal, em como nos ligamos, nos apresentamos e comunicamos com os outros, em sociedade.

Simon Sinek começa por perguntar:

Qual a razão pela qual a Apple é tão inovadora? Ou o porquê de ter sido Martin Luther King a liderar o movimento de direitos humanos?

Sinek explica que encontrou um padrão. Sejam elas pessoas individuais ou organizações, todos pensam e agem da mesma forma, seguindo este método.

(ilustração) vou colocar uma ao lado da outra (tradiconal e Golden Circle)

Uma explicação de como podemos aplicar a estratégia “The Golden Circle”

Simon Sinek dá como exemplos de personalidades os irmãos Wright e Martin Luther King, e em relação a marcas, podemos falar da Apple. Todos, comunicam através desta ordem de ideias que está representada na ilustração do Golden Circle, e sabem exatamente o porquê da sua missão ou existência. E, sabem como a comunicar.

Simon Sinek começa por perguntar:

  • Qual a razão pela qual a Apple é tão inovadora? Ou o porquê de ter sido Martin Luther King a liderar o movimento de direitos humanos?

Sinek explica que encontrou um padrão. Sejam elas pessoas individuais ou organizações, todos pensam e agem da mesma forma, seguindo este padrão.

Infográfico the golden circle

Tradicionalmente, todas as pessoas ou organizações, sabem descrever o que fazem ou produzem; apenas algumas sabem descrever o processo, como pela proposta de valor, mas muito poucos sabem o porquê do que fazem, ou seja, qual o seu propósito, o porquê da sua existência. O autor prova assim que a forma mais comum de comunicação e publicidade é de fora do círculo para dentro do círculo. Muitas ideias nem chegam ao centro do objetivo, motivação ou propósito e, portanto, não chegam a ser atraentes para o público.

Assim, Sinek apresenta:

O circulo externo pergunta: o quê?, o circulo do meio pergunta como?, e o circulo interior questiona o porquê? O Golden Circle segue o caminho oposto de dentro para fora, então a comunicação é mais significativa e estimulante: e é assim que os líderes inspiram à ação, ou seja, começar com o porquê.

O autor exemplifica com a Apple, porque de fato é um dos melhores exemplos para percebermos esta metodologia. Se seguissem o modelo tradicional, – que não é a forma como a Apple comunica – seria algo como:

“Nós fazemos bons computadores” – Responderia a What?

“São fáceis de usar e tem uma interface amigável” – Responderia ao how?

“Querem comprar um? Talvez sim talvez não” – Responderia ao Why?

Se utilizassem este tipo de estratégia possivelmente seriam apenas mais uma marca no mercado da industria de tecnologia. No entanto, segue agora a verdadeira estratégia utilizada pela Apple, com o método Golden Circle:

“Tudo o que fazemos, acreditamos em desafiar o status quo, pensamos de forma diferente” – Responde ao Why?

“Desafiamos o status quo e criamos os nossos produtos, para que sejam fáceis de usar e userfriendly” – Responde a How?

“Fazemos excelentes computadores. Querem comparar um?” – Responde a Why?

Certamente, que muitos, gostariam de ter um Apple.

Desta forma, é explicado como a Apple faz a sua comunicação. Se pensarmos que esta marca tem os mesmos recursos e produz os mesmo produtos das marcas concorrentes, o que a torna um símbolo de inovação e referência em tecnologia e design? É esta a estratégia de pensamento, ou seja, as pessoas compram o porquê e não tanto o que a empresa vende.

“ As pessoas não compram o que tu fazes, elas compram o porquê daquilo que fazes. O objectivo é fazer negócio com as pessoas que acreditam naquilo que tu acreditas.”

A mesma questão se pode aplicar quando uma empresa necessita de um novo trabalhador: se a procuram um mero funcionário que apenas deseja um emprego ou se deve procurar e contratar pessoas que acreditem na empresa e na sua real proposta de valor. Os resultados são muito diferentes.

O autor explica ainda como Martin Luther King conseguiu ser um excelente orador. A sua metodologia não foi, simplesmente, dizer que havia uma necessidade de mudança de comportamento, mas sim, falar sobre aquilo em que acreditava. Consequentemente, as pessoas que acreditam no que ele acreditava, adotaram a causa e conseguiram torná-la também sua. Mais de 250 mil pessoas apareceram em 1963 no seu discurso (I have a Dream) para o ouvirem falar, mas, naquele dia, não foi por Martin Luther King que lá estavam, mas sim por motivações próprias.

Em conclusão:

Sejam líderes, organizações ou pessoas que nos inspiram,  seguimo-las não porque temos obrigação de seguir, mas porque nós queremos seguir (temos essa vontade). Não os seguimos por eles, mas sim,  por nós próprios. E, eles começam no why, porque assim conseguem inspirar aqueles que estão à sua volta.

Seguir esta linha de pensamento – 1. why, 2. how, 3. what – é uma estratégia de comunicação para pessoas, empresas ou produtos. Este tipo de raciocínio é atraente para vendas, para criar engagement e tem impacto nas atividades de marketing. E agora? Estás pronto para usar o Golden Circle de Simon Sinek na tua vida e na tua empresa?

Deixo-vos o link do vídeo para os mais interessados e curiosos. E, ainda, o nome do seu livro Starts With Why, onde explora mais profundamente esta questão.

Simon Sinek dá como exemplos de personalidades os irmãos Wright e Martin Luther King, e em relação a marcas, podemos falar da Apple. Todos, comunicam através desta ordem de ideias que está representada na ilustração do Golden Circle, e sabem exatamente o porquê da sua missão ou existência. E, sabem como a comunicar.

Share this post

Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook